2º Simpósio de Defesa da Fé
antarvasna hindi

2º Simpósio de Defesa da Fé

2º Simpósio de Defesa da Fé

Simpósio de Defesa da Fé trata sobre ciência e escola

Temas como Designer Inteligente e apologética fizeram parte dos dois dias de evento.

Um dos temas que mais domínio o cenário político de 2018 foi o debate sobre a escola. Temas como escola sem partido, escolarização doméstica e ideologias educacionais dominam o debate nos últimos. Diante disso cabe a igreja a obter uma posição séria e bíblica diante do tema. Foi com essa proposta visando o tema anual “Somos igreja” que o simpósio de Defesa da Fé trouxe como tema a escola e a ciência na perspectiva apologética. Em dois dias especialistas da área com formação teológica debateram e trouxeram as últimas análises da área.

O SIMPÓSIO

O simpósio teve como palestrante de abertura George Oliveira com o tema “O que estão ensinando a nossos filhos na escola e eu estou apreendendo”. Com uma análise crítica George falou sobre a educação em casa, os pontos críticos do construtivismo e como o modelo educacional é montado para tirar Deus da equação. Em seguida um breve momento de perguntas e respostas foi aberto. O evento continuou com a palestra de Mariana Sá sobre “A verdade sobre nossa origem”. Mariana falou sobre como o Designer Inteligente ajuda a responder as lacunas que o evolucionismo não responde além de refutar as principais teses da área com embasamento científico. No domingo Wallison Lima falou sobre “quem governa a escola governa o mundo” na palestra temas como a conjectura política e a atual situação do sistema educacional brasileiro. O Simpósio terminou com um debate sobre “Defesa da fé no âmbito escolar e acadêmico” com Rubens Ferreira, Manuela Monteiro e Wallison Lima.

UM FIM DE SEMANA DE GRANDES REVELAÇÕES

Ao final do evento os participantes ponderam entender que fé e ciência podem andar juntos e como todo o contexto educacional pode ao menos ser acompanhado pelas famílias. Os participantes foram provocados a ler e entender tais verdades ainda desenvolvendo sua fé na presença de Deus.

PALESTRAS

George Oliveira

Metodologia Construtivista
“O que se pode fazer um Justo hoje, se seus conceitos e fundamentos foram destruídos?”

“Quando a lei e a justiça, que são os alicerces da sociedade, são destruídas, o que pode fazer o Justo?” – Salmos 11.3

A maneira que nós pensamos e agimos é correspondente a nossa filosofia, referente ao que acreditamos, temos fé e obtemos como verdade. Para nós cristãos, são os nossos Fundamentos Bíblicos.

Hoje a cultura de pensamentos Niilista tem se infiltrado em escola, cursos e universidades, atingindo a toda uma sociedade que tomam para se o pensamento moderno: ‘Cada um tem a sua própria verdade. A única coisa errada é a discórdia’. No pensamento Niilista, também abre-se mão de uma verdade: A existência de Deus.

Deste ponto, partimos para metodologias anticristãs, na qual destacamos a metodologia construtivista, tendo pressuposto e conceitos anticristão; Vejamos, o construtivismo tem uma ideia filosófica central: A negação do absoluto. E afirmam que o ser – o aluno, referente ao caso tratado – constrói seu saber por si só, e o professor é apenas o facilitador entre o sujeito (aluno) e o objeto (conhecimento/assunto), ou seja, o professor não pode interferir de forma direta. Os sujeitos têm autonomia, para decidirem escolherem e pensarem por se só, neles a o conceito de autoridade suprema; eles criam as próprias leis e ideias, tornam-se autônomos.

“Ensina a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele”. – Provérbios 22.6

No Construtivismo esse pensamento remonta a outro de que a criança nasce pura e índole, e é o ambiente em que ela vive que a transforma e a corrompe. Pelos fundamentos bíblicos, sabemos que não é assim, a criança nasce no pecado, tendo a nítida tendência humana para fazer o mal. Assim, os pais cristãos devam ensiná-las; a instrução familiar é a mais importante, é aquilo que dá base a todos os demais conhecimentos e aprendizados. Os pais devem ensinar e aprender junto com seus filhos, a desenvolverem aquilo que aprendem na escola e na EBD também, serem incentivadores, para que os seus filhos se sintam motivados e tenham boas referências.

Sendo totalmente contrário ao que é dito na filosofia Niilista, os pais tem autonomia sobre seus filhos, uma autoridade divina – pois é concedida pelo próprio Deus. Os pais recebem sabedoria para disciplinar seus filhos, e instruí-los pelo caminho certo.

Os pais precisam tomar uma responsabilidade total pelos seus filhos, os filhos muitas vezes se perdem mundo a fora pela irresponsabilidade cotidiana dos pais. Isto é, a falta de interligação que os pais acabam por deixar de lado, colocando o cuidado e a responsabilidade dos seus filhos para professores nas escolas, ou para o Pr. e líder na Igreja. Assim, vivendo em ambientes distintos, estas crianças acabam gerando personalidade adversas, é nestes pontos que vemos a importância da constante ligação que os pais precisam ter com seus filhos, saber o que eles aprendem e como o aprendem. É preciso quebrar essa cultura construtivista que é implantada desde muito cedo, quebrar o pensamento que Paulo Freire trouxe quando afirmou que ‘o educador deve estar ao lado dos seus alunos, pais e mães devem apenas assessorar seus filhos’.

Os pais precisam quebrar esse sócio construtivismo e lembrar a todo momento que Deus os deu autonomia, capacidade, inteligência e responsabilidade para ter, criar e ensinar a seus próprios filhos.

Assim sendo, em meio a este mar de ideologias, de renovadas culturas, mudanças de comportamentos e princípios o que nos resta? Qual deve ser a nossa perspectiva Cristã? Qual a nossa resposta para tudo isso?

As escolas hoje tornaram-se um mercado, atribuindo fortemente os valores econômicos e metodológicos, assim como também os ideológicos. Algumas buscam referência no mercado, outras, estrutura para conforto, umas querem destaque nos ensinos e assim sucessivamente… São essas características que tomam a importância de escolher bem uma escola/universidade para que se estude. Porque é claro, que não devemos nos preocupar com apenas as crianças que estão no ensino fundamental, mas com toda uma geração que é engolida por essas culturas e ideologias.

Vê-se nitidamente uma educação neutra, tudo tem influência, professores não transmitiram apenas assuntos, o ensino transmite vida! Por isso que a educação Cristã precisa ser trabalhada de dentro para fora, é de cada um. É cada pai/mãe transmitir pela própria vida valores e princípios para seus filhos, pois sabem bem que não há como casar as metodologias mundanas com o Cristianismo.

HomeScholling (Ensino doméstico)

‘Como os pais ensinarão aos seus filhos? Como prepara-los para mantém-se firmes em meios a essas culturas e ideologias? O que os filhos devem aprender?’

“Todas as Escrituras nos foi dada por inspiração de Deus e é útil para nos ensinar o que é verdadeiro e para nos fazer compreender o que está errado em nossas vidas: Ela nos endireita e nos ajuda a fazer o que é correto.” – 2º Timóteo 3.16

Portanto, o que devem aprender os filhos? A verdade bíblica absoluta; quebrando com qualquer outro pensamento que anule a existência de um Deus que é verdadeiro e absoluto, as Escrituras são instruções para desenvolver, ensinar e ter sabedoria. Por isso que a educação cristã é feita de dentro para fora, porque o que traz a nossa existência é o propósito que Deus tem para nós, é isso que nos define, não o mercado de trabalho, mas sim o chamado que Deus nos dá. Quando aprendemos pela Luz da Bíblia, juntamente com os ensinos cotidianos, aprendemos a ter empatia com o próximo, a não ser anacrônicos ou tolos, desenvolvemos empatia em sociedade e realizamos serviços.

“Que nossos pais e avós nos contaram e conhecemos muito bem. Vou lhes contar essas coisas para vocês poderem passar adiante a história dos milagres maravilhosos que o Senhor realizou e do seu grande poder, contando aos seus filhos e netos”. – Salmos 78. 3 e 4

Deus tem sido o mesmo de geração em geração, Desde Sempre e Para Sempre, Ele é participante da História. Tem ensinado a seus filhos desde os princípios, e por vez, dado sabedoria a cada um dos seus, para aprender, para ensinar, dando-os sabedoria e conhecimento. Em todas as áreas das nossas vidas, Deus nos capacita.


Mariana Sá

A segunda Palestra do nosso Simpósio foi dada por nossa convidada Mariana Sá, Graduada em Ciências Biológicas pela UFPB, com Mestrado em Pós-Graduação em Sistemática e Evolução pela UFRN. No final da tarde de Sábado, a palestra dada por Mariana nos fez pensar sobre a nossa origem, nossa espécie, o mundo no qual vivemos e na grandiosidade de Deus, vista até mesmo pela Ciência.

A Verdade sobre a Nossa Origem
“Processos naturais e leis da natureza trariam tudo o que vemos a existência?”

“Do Senhor é a Terra e a sua Plenitude, o Mundo e Tudo o que nele habitam”.  – Salmos 24.1

Mariana Sá começou sua palestra afirmando que precisamos falar a verdade e com ela ser coerente, com isso definiu dois pontos que desencadeou durante toda a sua palestra. A definição de Lei e Teoria.

Lei: Regra Categórica; É definitiva, taxativa, sempre da mesma forma. A exemplo da Lei da Gravidade criada por Newton: Tudo que está em cima cai.

Teoria: Conhecimento especulativo; É relativo, especulativo, sempre hipotético. A exemplo da Teoria da Relatividade criada por Einstein: Conjuntos de hipótese e realidades alternativas.

Dentro destas explicações e a respeito da criação do universo, a palestrante nos fez pensar sobre uma determinada situação:

  • Imaginar um castelo de areia, muito bem formado, detalhado exposto em uma praia onde todos podem vê, próximo a maré. E para saber como este castelo se formou, temos duas hipóteses. Ou ele simplesmente surgiu, devido ao movimento da Terra, da maré, ventos e areias da praia, ou alguém o fez. E então, qual hipótese torna-se verdadeira? Qual pode ser provada?

Durante muitos anos cientistas, pesquisadores e curiosos tem tentado abranger toda a vida humana, de plantas a seres humanos, tentando buscar o significado da vida, como surgiu, o que aconteceu durante bilhões de anos… E de tempos em tempos, ao longo de séculos, teorias e suposições foram feitas, cada qual que defendesse aquilo que acreditasse, por essas questões, nossa Palestrante nos trouxe alguns exemplos de teorias, suas veracidades e ilusões, e como para nós Cristãos é importante ter o conhecimento de que Deus, é criador do Céu e da Terra, e tudo que existe – seja conhecido ou não – nessa universidade de coisas e seres. E tanto a ciência, quanto a religião podem demonstrar os mesmos fatos.

Com este objetivo, a palestrante nos trouxe de modo singular algumas teorias e seus conceitos, para que pudéssemos ter não apenas uma visão científica, mas também uma visão cristã, tendo a certeza que assim como nos ensina a Palavra, Deus criou todas as coisas.

  • Teoria da Sopa Primordial

Foi desenvolvida pelo biólogo Oparin, qual apresentou 4 compostos afirmando que deles se deu o surgimento da vida na Terra, a sopa primordial nada mais foi que uma mistura de compostos orgânicos.

  • Teoria da abiogênese

Umas das primeiras teorias testada e estudada, também conhecida como teoria da geração espontânea, aos que acreditavam nessa teoria afirmavam que a vida poderia surgir de uma matéria inanimada, ou seja, algo sem vida poderia gerar vida; isto ocorria por meio de alguma força vital, mas provável em matéria orgânica. Isso poderia ser desde fungos ou bactérias á insetos e animais.

  • Teoria da Biogênese

Esta teoria quebrou os paradigmas antes existentes pela Teoria da Abiogênese, ao oposto dessa, a Biogênese afirma que os seres vivos só podem existir de um outro ser vivo preexistente.  

  • Teoria da Evolução

Esta teoria foi definida como teoria da evolução biológica por seleção natural, seu criador Darwin defini evolução como ‘descender com modificações’, trazendo a ideia de que as espécies mudam ao longo dos tempos, dando origem a novas espécies, mas ainda compartilhando do mesmo ancestral.

  • Teoria Sistemática da Evolução

Foi desenvolvida por Lamarck, que explicou o principio evolutivo em duas leis fundamentais: Lei do uso e desuso e a Lei dos caracteres adquiridos. A primeira explica de forma simples que as partes usadas do corpo do organismo as fazem desenvolver, e aquelas partes não usadas atrofiam. A segunda é a transmissão de caracteres por gerações, ainda na mesma linha de pensamento da lei do uso e desuso, as partes usadas que se desenvolvem são herdadas as seguintes gerações.

  • Teoria da Seleção Natural

Uma teoria desenvolvida por Charles Darwin, base da moderna teoria sintética da evolução. Com esta teoria ele afirma que os organismos mais bem adaptados ao meio tem maiores chances de sobrevivência dos que os menos adaptados; Ou seja, os organismos mais bem adaptados selecionam-se para aquele ambiente e assim tendem a deixar um maior número de descendentes. A atuação da seleção natural sobre os indivíduos mantém ou melhora o grau de adaptação destes ao meio.

  • Macro e Micro Evolução

A Microevolução é um resultado de processos como a mutação e a seleção natural, ela designa mudanças na frequência gênica que ocorrem em uma determinada população; Ou seja, é um conjunto de mudanças que ocorrem em uma determinada população, sendo considerada uma evolução em pequena escala. Já a macroevolução está relacionada com grandes mudanças, que atinge uma superioridade acima dos níveis das espécies, essas mudanças acontecem de forma bruta, e relaciona-se com uma longa escala de tempo.

  • Teoria Sintética da Evolução

Uma teoria também conhecida como Teoria Neodarwinista, a qual considera que as mutações, combinações genéticas e seleções naturais são os principais fatores que culminam na evolução.

Dentre estas muitas teorias Mariana Sá nos mostra aonde encontrar Deus em cada detalhe, comprova pela própria ciência a teoria mais fantástica de todas, que o Deus ao qual servimos, foi sem dúvidas O Criador de Todas as Coisas, as quais nós conhecemos e das muitas que escapam aos nossos olhos. Não há porque negar em absoluto as descobertas e estudos que a ciência realiza, Deus capacita estudiosos e cientista, nos fez dotados de inteligência para que muitas coisas nos fossem compreensíveis. Diante de tudo, retiramos aquilo que não foge dos primórdios de Deus e de sua Criação, mas nos ajuda a entender um pouquinho mais das coisas maravilhosas que Ele Criou.

O código da Vida
Acaso ou Design?

  • Informação

Manipulação e organização de dados. Precisa ser entendida para ser repassada – Uma compreensão que chega até você; Um conjunto de caracteres informativos. A informação demanda a inteligência.

  • A questão é: “Quem colocou a informação nos sistemas biológicos?

Deste pressuposto apresentam-se diversas teorias e estudos sistematizados, definindo conceitos, problemáticas e situações que envolvam a justiçava e o meio de como a informação chega ao sistema biológico.


Wallyson Lima

A terceira Palestra do nosso Simpósio foi dada por nosso convidado Wallyson Lima, Membro da Igreja Assembleia de Deus – Bayeux PB.

Em sua palestra, falou abertamente sobre diversos conceitos e analises que giram em torno das escolas seculares, problemas e situações vistas há anos e até séculos atrás. Todas apresentando a mesma problemática: A intervenção do Estado e do ‘poder’ nas escolas, e a falta de posicionamento contra essas intervenções.

Ateísmo
“Quem controla a Escola, controla o mundo!”

Esse controle tenta surgir através de regimes políticos que visam moldar uma sociedade ratificando toda uma cultura, modos e costumes. Nesse meio, devemos ver que o governo tenta influenciar a Igreja, e cada um de nós como Cristão, devemos contornar essa situação e influenciar o Estado, ora, são os princípios de Deus que estabilizam as leis criadas pelo Estado. A Igreja deve ser influente sobre a sociedade em que está localizada.

Um dos motivos de maior preocupação é a inserção de outro soberano, visto no antropocentrismo: a soberania que o ser humano afirma ter sobre si mesmo. E claro, que nas escolas houve essa implantação, que visou moldar pensamentos e culturas, atribuindo ás ideias humanistas. Que vigoram ate hoje em diferentes instituições.

Questionando sobre esses pensamentos que o palestrante nos perguntou se continuaríamos a deixar nossos filhos em um ambiente doutrinado por essas ideologias, que não honram a Deus, nem o vem como o Centro da Vida e do Mundo, ou levaríamos os nossos filhos há um ambiente educacional que reconheça a Deus como o Único Soberano?

Se formos – e assim devemos fazer sempre – analisar esses fatos pela bíblia, vemos em Provérbios 22.6 a instrução que Deus nos orienta a ter sobre nossos filhos, que elas precisam ser corrigidas, instruídas, ensinadas e acompanhadas. Que Deus colocou autoridade sobre pais e mães, para que fossem educadores altamente responsáveis por seus filhos.

É assim, tendo essa atenção e interesse pelos filhos que se pode saber o que acontece nas escolas, e ver a principal problemática entre: Escolas, Instituições Religiosas e convivência familiar.

As escolas refletem os padrões de uma sociedade, a família é a base da sociedade, por isso, torna-se continuamente atacada. É exatamente isso que estamos vivenciando nesses dias, não é de hoje que não acontece, mas continua contornando os mesmo motivos e situações. Quando a família que é a base da sociedade é atacada, consequentemente as demais instituições que giram em tono dela acabam sendo abaladas também. Todo este conceito é visto há séculos, durante a analise da história moderna sobre o controle educacional: ‘A educação é a forma mais forte de se chegar ao poder’.

Está é uma afirmação que não abre espaços para críticas.

MESA REDONDA

 

Em nosso último momento do Simpósio de Defesa da Fé, realizamos uma mesa redonda para debater assuntos vistos durante todos os momentos do simpósio, dando ênfase sobre as questões escolares, como a ‘Escola sem partido’, ‘HomeSchooling’, ‘Educação e Estado’, ‘Comportamento de Pais e Filhos’, e assuntos condizentes que surgiram em cada resposta e a cada nova pergunta. Diante disso, elaboramos um resumo objetivo sobre as falas de cada um dos Integrantes que expuseram seu ponto de vista.

A Mesa Redonda contou com a participação de Wallison Lima, Emanuela Monteiro e Rubens Ferreira, sobe a direção do coordenador da Escola Bíblica Yndrews Phillip.

Uma das primeiras respostas da Mesa Redonda, O palestrante Wallison Lima, respondeu sobre até que ponto o Estado deve intervir na Educação, relembrando pontos de sua palestra, ele nos responde: “A partir do momento que colocamos a Educação na mão do Estado, temos interferência em todas as áreas sociais – Principalmente nas Igrejas – isto é refletido na falta de responsabilidade pessoal.”

Ainda em continuidade com esse assunto, associou ao termo ‘Escola sem partido’, e a Ir. Emanuela Monteiro, acrescentou: “Não há como nosso pensamento partir de um pressuposto neutro; buscando o melhor sentido que essa palavra pode ter, temos sim partido! E nossa responsabilidade como Cristãos e como Pais é grande em educar os nossos Filhos, por isso é tão importante que os Pais tenham o processo de acompanhamento e compartilhamento, uma parceria mútua. Assim como também é importante que os professores tenham ética, bom sendo e discernimento, não sendo um disseminador de conteúdos, mas que desenvolva o censo crítico.

Atribuindo essa linha de pensamento entre parceria dos Pais na Educação dos Filho, outro participante da Mesa Redonda Rubens Ferreira acrescenta: “O grande desafio do educador como professor e mais ainda da escola como instituição é alcançar essa ‘parceria’ das famílias nas escolas, há um distanciamento nessas duas esferas, o que acaba gerando uma evasiva responsabilidade dos pais ao deixarem seus filhos nas escolas. A sociedade de hoje precisa pensar que as escolas são parceiras na educação, por isso é de grande importância a fiscalização de saber o que se ensina.

Muitos pais justificam suas atitudes como ‘falta de tempo’, 5 minutos que os pais param para ouvir os educadores ou os gestores das escolas que seus filhos frequentam faz total diferença, não apenas os pais especificamente, mas todo responsável deve otimizar o seu tempo, e não usá-lo sua falta como desculpas ou justificativas.

Um aspecto que muitas educações tem tentado reverter é trazer a família para a escola, quebrar uma barreira de indisciplina, um mal – infelizmente – herdado, que é presente em todas as escolas, a falta de educação, o que é por sua vez uma extensão do lar. Se for possível unificar essas duas situações, fazer com que os pais e responsáveis se interajam na instituições que os filhos frequentam muitos problemas serão resolvidos, outros otimizados e todos viveriam em ambiente melhores, em uma sociedade melhor.” 

Em referência a resposta de Rubens Ferreira, Emanuela Monteiro conclui: “A confiabilidade entre pais e instituições é de um valor importantíssimo. A palavra conviver já diz tudo, é viver com. Não é se tornar um pai chato, mas demonstrar ser um pai preocupado, demonstrar interesse e verdadeiramente se importar. Pais tem a missão de educar seus filhos pelo Caminho que Cristo nos ensina, essa foi uma autoridade que Deus nos concedeu como Pais e Mães.”

 

avatar
  Inscreva-se  
Notificar a